Buscar
  • Dra. Ludimila C. Garofolo

Prevenir é infinitamente melhor do que remediar!

Em algum momento da sua vida, você com certeza escutou a seguinte frase: Prevenir é melhor que remediar!


Será que nós entendemos de verdade o que isso quer dizer?

Com uma certa frequência ouço as pessoas me dizerem que morrem de medo de dentista. Por causa deste medo, elas fogem, evitam a todo custo sentar na nossa cadeira e deveria ser exatamente o contrário.


Quanto mais medo de dentista você tem, mais você precisa ir até ele.


Por quê?


De um modo geral, recomendamos uma visita semestral ao dentista. Aqui é importante lembrar que isso não é uma regra, pois algumas pessoas precisam de intervalos menores.


Mas vamos continuar nossa conversa. Seguindo as visitas regularmente, mesmo que apareça algum problema, ele terá menores proporções, você precisará de menos tempo de tratamento e com certeza o custo será menor.


Entretanto, se você ficar um ano, dois anos, três anos ou mais, sem acompanhamento, você acaba procurando atendimento em situações de emergência que envolvem dor ou comprometimento estético.


Então, com ou sem medo, você se vê obrigado a procurar um dentista e possivelmente vai precisar de um tratamento mais longo com custos maiores. Afinal, você assumiu o risco por ter sumido tanto tempo assim.


Vale a pena?


Eu sinceramente acho que não.


Pense com carinho sobre sua saúde bucal, ela não está separada da saúde do resto do corpo! Você só tem a ganhar com isso!


Nosso maior compromisso é cuidar de você!


Apesar daquele “motorzinho”, a gente é legal!!!


Ludimila Candido Garofolo é Cirurgiã Dentista especialista em Prótese Dentária.

Formada em 2003 pela UNESP - São José dos Campos

Especialista em Prótese Dentária pela APCD - Vila Mariana.

Atua na área de Reabilitação Oral e Estética & Odontogeriatria


17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beleza com B maiúsculo!

Envelhecer não é opcional, mas como vamos enxergar esse processo é uma escolha de cada um. Há quem veja o envelhecimento com tanto pavor, que fica escravo de procedimentos estéticos. Há quem veja o ro